quarta-feira, 30 de março de 2011

Nutrição infantil - 6 meses

Regra geral, por volta dos seis meses, o bebé estará preparado para experimentar refeições mais substanciais. Começará a ajustar-se a quatro ou cinco refeições por dia por volta dos sete meses. O bebé será, também, capaz de aguardar entre as refeições para satisfazer a fome. Mas todas as crianças acabam por encontrar o seu próprio ritmo!

O leite materno ou leite infantil é absolutamente indispensável, na medida em que fornece todos os elementos nutricionais de que o bebé necessita para crescer adequadamente (vitaminas, ácidos gordos essenciais, cálcio, ferro e proteínas em quantidades adequadas).
É aconselhável dar ao seu bebé pelo menos 500 ml de leite para bebé todos os dias até aos três anos.
Após as primeiras tentativas com papas de cereais “sem glúten” entre os 4 e os 6 meses de idade, e se o médico não apresentar quaisquer contra-indicações, poderá, a partir dos seis meses de vida, introduzir papas de cereais com glúten na dieta do bebé.

Graças aos complexos hidratos de carbono que contêm, os cereais constituem uma verdadeira fonte de energia para o seu filho. Eles fornecem a energia necessária durante o dia para que ele se mexa e se desloque cada vez mais, além de ajudarem a controlar a fome.

Os cereais fornecem também ao bebé vitaminas, sais minerais e ferro e ainda oferecem novos prazeres alimentares e uma consistência diferente daquelas que o bebé costuma associar ao leite.
Nesta fase poderá também começar a introduzir a carne na refeição do bebé, complementando a ingestão de proteínas já presentes no leite. Assim, quantidades muito pequenas de carne são suficientes para completar esta ingestão: 10-15g por dia (cerca de 2 a 3 colheres de chá cheias).


Aqui ficam mais algumas dicas:

No caso da carne, opte preferencialmente pelas variedades magras e de preferência inicie com as carnes de aves: frango e peru, passando só depois ao borrego e mais tarde à vitela, variando de refeição em refeição. Cozinhe a carne a vapor ou em cozedura tradicional, pique-a/triture-a finamente e depois, misture com o puré de vegetais e legumes.

Dê a carne ao seu filho apenas uma vez por dia, ao almoço ou ao jantar, o que for mais fácil para si. A utilização de sal continua a ser desaconselhada e o azeite deve ser adicionado somente no final da confecção.

sábado, 26 de março de 2011

As revistas e a alimentação do bebé

Que há opiniões diferentes quanto à alimentação do bebé eu já sabia - e isso é normal e esperado, uma vez que o nosso país é uma grande miscelânia de culturas diferentes logo ideias e opiniões diferentes também - agora haver uma revista que tem um pediatra com opiniões tão divergentes do que me ensinaram no Centro de Saúde isso não esperava.

Na revista "Bebé d'Hoje" (Abril 2011) vêm diversos artigos sobre alimentação, incluindo respostas a dúvidas das mães. Dizer a uma mãe de um bebé de 5 meses que "não deve preparar para o seu filho nenhuma refeição porque o truque é que ele coma o mesmo que os pais" não me parece de todo acertado. Será que confundiram 5 meses com 5 anos? Então se os pais estiverem a comer bife com batatas fritas é isso que esta mãe vai dar ao bebé de 5 meses? Mais tarde, sim até concordo que a criança prove e coma da mesma comida que os pais, mas aos 5 meses eles ainda não podem comer de tudo! Não percebo quem são os pediatras a quem recorrem. Eu até gosto da revista, mas temos de saber ser críticos em relação ao que lemos. Às vezes lá aparecem umas barbaridades.

terça-feira, 22 de março de 2011

Novo blogue

O piratinha

Este é o meu novo blogue.
É um espaço onde vou publicar alguns dos trabalhos manuais que estou a realizar. Gostaria muito de receber a vossa visita e os vossos comentários e opinião sobre os trabalhos expostos.

Principalmente pintura e découpage, telas pintadas à mão, miminhos e outras coisas para bebés e crianças, para dar vida aos quartos dos mais novinhos!

Materiais educativos e ideias para realizar com os mais novos, em casa ou no colégio.

Ideias para a decoração da casa, para a cozinha... caixas de chá, guarda-jóias, molduras diversas.




Visitem-me também em:

quinta-feira, 17 de março de 2011

Segurança em família

A Renault, em conjunto com a Câmara Municipal do Seixal e a Unidade de Saúde Pública do Seixal estão a desenvolver ações de sensibilização para a segurança rodoviária. Ontem, tive a oportunidade de assistir a duas dessas ações que decorreram no Teatro Gil Vicente, em Paio Pires, Seixal. Fui lá em trabalho, numa ação de prevenção, mas nem por isso deixei de observar com atenção a forma como os dois protagonistas da história se relacionavam e interagiam com as crianças. Foi muito divertido, posso-vos desde já dizer, e recomendo.



- "É obrigatório passear."
- "É obrigatório deixar passar os meninos para a escola."




quarta-feira, 16 de março de 2011

Consulta dos 6 meses!

Ontem foi dia de consulta para o piratinha. E começo logo mal. Mãe desnaturada! Então não é que me esqueci da vacina dos 5 meses? Sem desculpa mesmo, pois o piolhito lá teve de levar três picas (em vez de duas) e tudo culpa da mãe!

Tenho um rapaz saudável, com 6140g e 65,5 cm. Muito aticvo, já se senta e já tem ordem para comer carninha... e por isso, hoje lá ia eu toda contente, com a sopinha pronta com perú e a dizer à ama "Vamo lá ver se ele gosta!"

"Gosta, gosta! E muito!" Parece que aqui o pirralho anda adiantado e eu não sabia! Ai, ai... De resto, vamos continuar com a maminha sempre que possível, tentar dar mais água - é uma guerra com a água! - e daqui a duas semanas começo com peixinho.

domingo, 13 de março de 2011

6 Meses

No passado Domingo, o meu pirata fez 6 meses. Já??
Tão rápido e quando olho para trás parece que ainda ontem o sentia a mexer cá dentro de mim.
Já se começam a acumular as suas conquistas, a um ritmo cada vez mais rápido! Já se senta com cada vez menos apoio e agarra-se ao que pode para passar da posição de deitado para sentado sozinho - perigo! Se o deixamos no tapete, basta um minuto para dar-mos com ele no chão ou com os pés onde antes estava a cabeça, tal é a velocidade com que se vira e arrasta! A forma como se segura na borda da sua banheira e se deleita a dar aos pés vendo a água espalhar-se por todo o lado! A maneira como nos olha e palra, conversando connosco, chamando a nossa atenção e rindo das nossas graças e palermices. Adora cócegas e beijos no pescoço e na bariga e ri de tal forma que nos faz também rir a nós...

E já lá vão seis meses. Cheios de amor, de alegrias e de muita felicidade. Algumas dúvidas e receios também, mas sobretudo, muitas alegrias.

Terça-feira é dia de consulta. Vamos ver o que me vão dizer desta vez. Para mim, ele está óptimo, mas também quero saber a opinião da médica claro está.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Mascarados

Foi tão bom a beleza de um fim de semana de animação e divertimento! Entre preparativos e desfiles, o tempo passou a correr e até o bebé teve direito a fatiota! Sim porque mãe sambista não ia deixar o filhote sem fantasia de Carnaval. Ora bem que o menino lá levou umas calças de palhaço feitas à mão aqui por mim, que nunca antes tinha feito tal coisa. Nem saíram muito mal...

É que fatinhos para o pequenote só achei um de "kitty" o que estava totalmente fora de questão! Nada de nada para o tamanho dele. Mas ontem encontrei vários bebés - e mais pequenos que o meu - mascarados. Onde arranjaram os fatinhos?

quinta-feira, 3 de março de 2011

Carnaval - preparativos

Em última análise... andamos bem atrasados!
Mas isso já é normal e até estranharia se assim não acontecesse...

Sábado já desfilo. Em Verde e branco, o riso salta para a avenida e vem brincar com gente de todas as idades. De Charlie Chaplin a Pierrot, dos bobos da corte às Columbinas, passando pelos animados palhaços. Cor, flores e muita alegria!

Quinta do Conde. 14h30m

Escola de Samba Batuque do Conde.

http://batuquedoconde.blogs.sapo.pt/
http://www.osesimbrense.com.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=683:grupo-recreativo-escola-de-samba-batuque-do-conde&catid=17:cultura

A Creche em Portugal

Nos nossos dias, a Creche já deixou de ser um local de guarda, para passar a ser um meio educativo. Educar é pensar a criança como um ser importante e único, mas para tal, seria importante que os próprios educadores soubessem valorizar a sua prática e sentirem-se reconhecidos pelos pais e famílias das crianças, assim como, sentirem-se reconhecidos pelo próprio Estado e, também, pelas entidades empregadoras. No nosso país, “assistimos ainda a perversões no sistema de implementação das políticas para a infância: aos educadores de infância que trabalham com o grupo etário dos 0 aos 3 anos não é reconhecida tal tarefa, como sendo serviço docente...o sistema de regulação das creches e outro tipo de atendimento a criança dos 0 aos 3 anos é praticamente inexistente.”(1)

Existem diversos marcadores que avaliam a qualidade em Creche e com os quais os Educadores se devem familiarizar. Perceber o que são, o que comportam e para que servem. A variação desses marcadores dá-nos importantes informações acerca da qualidade de uma Creche. Estes devem abranger uma abordagem tanto quantitativa como qualitativa. O modelo de avaliação tem por objetivos:

• Ser um instrumento de diferenciação positiva das Respostas Sociais, permitindo incentivar a melhoria dos serviços prestados.

• Ser um instrumento de auto-avaliação das Respostas Sociais, permitindo rever de uma forma sistemática o desempenho da organização, as oportunidades de melhoria e a ligação entre aquilo que se faz e os resultados que se atingem.

• Apoiar no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade nas Respostas Sociais, permitindo uma melhoria significativa da sua organização e funcionamento, nomeadamente através de:

− melhoria da eficiência e a eficácia dos seus processos;

− maior grau de participação dos clientes, nos serviços que lhes são destinados;

− maior dinamização e efectivação da participação da família no âmbito da Resposta Social;

− aumento do grau de satisfação das expectativas e necessidades dos clientes, colaboradores, fornecedores, parceiros e, de um modo geral, de todo o meio envolvente da organização e da sociedade em geral.


















Bibliografia: