terça-feira, 30 de agosto de 2011

Últimos cartuchos

As férias estão a acabar. Regresso dia 1 ao trabalho. O bebé regressa à ama. Vamos regressar à rotina, ao acordar mais cedo, ao não o ter a toda a hora para encher de mimos - e ainda mais agora que ele nos dá mimos e nos "beija" de uma forma babada e maravilhosa! Ainda tenho tanto para fazer. O tempo passou e nem dei conta.

E nestes dias lá vou dando conta que a minha vida gira à volta do meu Solzinho, que se chama Martim e que é toda a luz da minha vida! Quer dizer, que tudo passou a girar à volta dele já sabia desde à um ano atrás pelo menos... No Sábado houve um fogo grande aqui na zona e não pude lá estar porque tinha o piratinha comigo. Era vê-los a passar... o heli aqui perto... e eu no sofá com ele na mama... as sirenes, a coluna de fumo a estender-se... e o leite a pingar, que primeiro alguém espera para comer e para trocar a fralda... e a mãe é mãe e deixa de ser bombeira. O pai foi, mas eu o máximo que pude fazer foi ir até ao quartel "passear" um bocado e ficar por lá a dar uma ajuda e pouco mais, sempre com o meu pequenino comigo. Ser mãe é assim - tudo o resto fica para segundo plano!

No Domingo já estive lá. A avó ficou com ele. Não havia o alvoroço do dia anterior, mas fiquei contente por lá estar na mesma, por fazer a minha parte, mesmo sendo pouco. Às vezes, temos de pensar assim...

Tenho os ombros vermelhos e hoje o sol quase que nem se deixou ver. Um dia planeado para irmos à praia de manhã, mas estava frio e vento e não apetecia. Só fomos depois do lanche, mas entretanto andámos a passear e, mesmo com o céu nublado, tenho os ombros e o peito vermelhos!

O pirata está quase quase a fazer um aninho! Vai ser um dia para recordar. Vou fazer uma pequena festa no fim-de-semana depois do aniversário, mas a maioria dos convidados serão bebés como ele. Alguém tem ideias ou dicas para aquilo não correr muito mal? É que nunca organizei nada para bebés tão pequeninos!

sábado, 27 de agosto de 2011

Problemas em amamentar: mastites e abcessos!

O nome só por si assusta! Este é mais um post sobre amamentação, uma forma de partilhar alguma informação que vou encontrando. Cada uma de vós agora, analisa e comenta.

Desta vez procurei informação sobre as mastites.

A mastite é uma infeção no peito que traz febre. "O peito torna-se duro, vermelho e muito doloroso. Nestes casos, é necessário o uso de analgésicos, antipiréticos e antibióticos."(1)

Se houver proliferação de germes, "inicia-se um processo inflamatório que pode vir a ser complicado."(2)

É essencial que se continue a retirar o leite, usando uma bomba por exemplo. Pode-se dar esse leite ao bebé, mas se o sabor ficar alterado ele poderá rejeitar e nesses casos, por vezes até se recomenda começar com o leite em pó. Para mim, desde que a criança aceite o leite não deve haver problema e tirar o leite ajuda a mãe a recuperar, contribuindo para a diminuição das dores provocadas pela rigidez e pelos desconfortáveis caroços que se podem formar. "Em principio quando a mãe melhorar, a amamentação poderá ser retomada, sem grandes dramas."(2)

Se a mastite não for convenientemente tratada pode em "cerca de 5 a 10% dos casos resultar num abcesso mamário", o qual se identifica "através da palpação."(2) Quando detetado, deve-se consultar um especialista, que poderá aconselhar ao seu esvaziamento recorrendo a "drenagem cirúrgica ou aspiração."(2) No entanto, estes casos são os mais graves. Na maioria das vezes, a mãe consegue ir tirando o leite, principalmente se continuar a amamentar o bebé, evitando assim ter de recorrer a processos mais invasivos.

Um conselho meu: eu situações de dúvidas, dor na amamentação sem razão aparente, desconforto... consultem alguém que vos possa realmente ajudar. Existem diversas pessoas e grupos de apoio à amamentação que ajudam mesmo! E pessoalmente ou por telefone, é sempre melhor para criar relações de entreajuda.

E não se esqueçam que sábado (3 de Setembro) vai decorrer mais um Entremães, no Espaço Zambujal, Sesimbra!

Bibliografia:
(1) - OOM, Paulo, "Amamentação - 20 regras práticas", Pais e Filhos, Março de 2000;
(2) - BATISTA, InÊs de Barros, "Malditas Mastites", Pais e Filhos, Junho de 2005;

domingo, 21 de agosto de 2011

Baba e mais baba!

Um babete... dois babetes... três... quatro... e o dia ainda não chegou ao fim! Ensopam com a baba e lá conseguimosver que andam aí mais dentes a espreitar... Quem é a mãe que não se vê aflita com tanto pingo de baba?
"Durante a dentição (ainda que não tenha saído o primeiro dente) produz-se um aumento da baba. Alguns pediatras acreditam que acontece porque esta etapa coincide com a introdução de alimentos sólidos na dieta do bebé, e a saliva é essencial para a sua ingestão. Outros asseguram que a inflamação das gengivas e a sensação de ter um corpo estranho na boca (o novo dente) faz aumentar a salivação."(1)

Esta salivação abundante é característica. Os bebés "babam" de modo excessivo. "O desconforto, a dor, ou a coceira provocados pelo estiramento das mucosas da gengiva provocam uma maior salivação. Tome cuidados especiais, secando constantemente a boca de seu bebê para evitar que a saliva irrite a pele do queixo e das bochechas."(2)

"Também há especialistas que afirmam que a partir dos 3 meses as glandulas salivares começam a amadurecer e a aumentar a sua produção. A criança não consegue tragar toda a saliva que se cria e por isso expulsa-a."(1)

É bom saber que a situação melhora por volta dos 2 anos, quando a criança já domina a arte de deglutir.

Bibliografia:
(1) - "Primeiros dentes - verdades e mentiras", Bebé d'Hoje, nº 116;
(2) - http://profissaosupermae.blogspot.com/2011/02/denticao.html

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

E sobre os primeiros passos...

Do orgulho dos papás... aos poucos vai dando os seus primeiros passinhos. Agarrado no sofá, ou passando de uma das nossas pernas para a outra... da mãe para o pai. Às vezes, assim sem reparar, larga as duas mãos para logo se voltar a segurar, ou não e, nesses casos lá vai mais uma queda. Sem danos, na maioria das vezes.

E assim vai descobrindo o seu próprio ponto de equilíbrio. Um dia, sem dar-mos conta, está a dar os primeiros passinhos. A ganhar a sua independência. A descobrir um mundo novo e a aprender novas capacidades. E assim vai crescendo o meu bebé, que ainda ontem puseram no meu peito, olhos abertos para o mundo. Tão pequenino.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Os primeiros passinhos...

...dele foram hoje! E tinha de ser no quartel dos Bombeiros. Tanto andaram com ele de um lado para o outro, a prometer mexer em água que ele lá se ia largando de uma mão para a outra, dando pequenos passinhos e rindo. Tão contente que ele estava - e a mamã toda babada! Agora é que vai ser! Mas por enquanto, ainda não se larga sozinho por iniciativa dele. Mas não deve tardar nada.

E o dia não ficou por aqui. À tarde fomos à praia um bocadinho. As crianças são maravilhosas e veio logo uma menina fazer amizade com ele - ou melhor, brincar com o baldinho e o regador dele. Tinha mais um ano que o pirata e a diferença nota-se no modo de brincar, apesar do pirata tentar imitar o que a menina fazia. E comunicavam muito bem os dois.

Andámos a brincar com as ondinhas! Nada de medos, muito aventureiro, adora a areia e água! E hoje até tinhamos bandeira verde, pena ter ficado frio pouco depois de chegarmos à praia. Este verão está para esquecer.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Os primeiros dentes

Já são cinco! Lindos!

Dentes de leite, dentes decíduos, dentes temporários, dentes provisórios, primeira dentição e da primeira infância. Existem vários mitos sobre o nascimento dos primeiros dentes. Dizem que dá febre, mas pode ser uma coincidência e não a causa da febre; dizem que nascem primeiro os de baixo, mas nem sempre assim acontece.

Os dentes do meu piratinha têm saído sem grandes problemas - além de muita, mesmo muita baba - sem febre e sem noites mal dormidas. Espero sinceramente que com os restantes a regra se mantenha!

O nascimento dos dentes não causa doenças nos bebés!

"Os primeiros dentes (normalmente a partir dos seis meses) costumam coincidir biologicamente com uma etapa na qual as defesas que o bebé recebeu da sua mãe após o nascimento e durante a amamentação começam a diminuir. Por isso, os pequenos são muito mais vulneráveis aos vírus e bactérias mais comuns, que são os que provocam as tosses, otites ou gastroenterites."(1)

Nem febre!

"A erupção dos dentes não provoca febre. É uma ideia muito alargada entre as mães durante gerações, mas os pediatras e dentistas negam que exista essa relação. (...) É possível que o bebé esteja a atravessar um processo infeccioso que nada tenha a ver com a dentição (...) e estes sim podem provocar febre alta. Ao subir a temperatura corporal, o metabolismo acelera e digamos que faz com que o dente que estava prestes a aparecer saia mais depressa."(1)

Os mordedores parecem ser bons amigos!

"A boca é uma fonte de exploração para os bebés: além de chupar, sugar e morder, proporciona-lhes prazer e tranquilidade, e se estão em plena dentição, com muito mais motivo. A proximar-lhes à boca algo fresquinho ou duro que possam morder à vontade ou esfregar as gengivas com fricção, não só os alivia, mas também cumpre uma função: limar pouco a pouco a pele que as cobre e onde os dentes de leite se encontram enterrados (...) vai favorecendo o aparecimento do dente." (1)

E a limpeza é importante!

Mesmo antes dos dentinhos nascerem, segundo dizem "já que deles dependem os definitivos. Isto porque os primeiros dentes estão a guardar o lugar para os permanentes que se estão a formar por baixo."(1)

E desmamar, não é necessário quando nascem os dentes!

Porque não há porque o bebé magoar a mãe, se este "estiver bem colocado no peito, com a sua boca bem aberta e muito pegada ao mamilo."(1) Se magoar, devemos dizer-lhe isso e tirá-lo da mama por uns instantes - são pequenos mas percebem a mensagem que lhes queremos transmitir.

Bibliografia:
(1) - "Primeiros dentes: verdades e mentiras", Bebé d'Hoje, nº 116;

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Muito High-scope...

... foi ontem a tarde do meu piqueno. Ora pois então: para que serve o quintal da avó? Para brincar com uma caixa de fruta, virá-la de todas as maneiras possíveis, entrar lá dentro, sair, entrar, sair... muitas e muitas vezes! Brincar com um garrafão de água vazio, brincar com a bola (fazer a mãe e o pai correr atrás dela, para o cão não a comer...), chamar o cão, andar atrás dos gatos, agarrado à nossa mão, ou nas cadeiras... e com umas croks novas, que não o atrapalham nada ao contrário do que eu tinha pensado.

Explorar, experimentar e sair de lá com os joelhos pretos! E a roupa toda suja e cheia de pão de milho colado ao fundo dos calções tipo pasta!

Não é tãaaao pedagógico? Eh eh!

E parece que lá vem mais um dentinho! Ontem reparei que já está uma pontinha a espreitar...

domingo, 14 de agosto de 2011

Bloqueio dos ductos mamários

Como é hábito aqui por este blogue, aqui vos deixo mais uma pequena pesquisa sobre alguns problemas que podem surgir na amamentação. Como sempre, também, aqui podem deixar os vossos comentários e opiniões sobre o assunto.

O bloqueio dos ductos mamários "ocorre quando o leite produzido numa determinada área da mama não é drenado de forma adequada. A situação dá-se com mais frequência quando a mama não é totalmente esvaziada, quando o bebé apresenta uma sucção insuficiente ou quando os intervalos entre mamadas são demasiado longos."(1) Este problema pode ocorrer em qualquer fase da amamentação - seja nos primeiros dias, seja por exemplo, quando a mãe volta ao trabalho e passa mais horas sem amamentar.

Para ajudar a resolver este problema, deve-se "continuar a dar de mamar do lado afetado" para desta forma esvaziar os ductos bloqueados. Quando tal não é possível, se a mãe já está a trabalhar por exemplo, tirar com a bomba é uma opção. Depois de vazios, sente-se o alívio da dor, mas também resulta se pusermos um saco de água quente sobre o peito no intervalo das mamadas, ou se tomarmos um duche e massajar-mos a área que está mais rija e dorida com a água quente. Só em casos mais graves, o antibiótico é receitado. De qualquer forma, deixar de dar mama não é uma solução pois só iria piorar a situação.

Bibliografia:
(1) - BATISTA, Inês de Barros, "Malditas Mastites", Pais e Filhos, Junho de 2005;

Quando o cordão tem anomalias

Mais uma pesquisa que aqui quero partilhar convosco.

As situações são raras, mas pode acontecer que o cordão umbilical tenha algumas anomalias. Esta é uma das principais estruturas que permitem a vida no ventre materno. Quando não se detetam outras causas, uma anomalia deste órgão pode ser a causa principal de morte fetal.

Asfixia - quando ocorre a obstrução completa da veia ou das artérias que o formam, podendo levar à morte do feto durante a gravidez ou mesmo do bebé no momento do parto.

Artéria umbilical única - é uma situação muito rara (ocorre em apenas 1% dos fetos) e quando isolada (sem outras complicações associadas) pode não ter consequências, embora seja essencial uma vigilância especial e atenta da gravidez.

Prolapso do cordão - quando o cordão exterioriza antes do bebé. Acontece entre 1 a 3 casos em cada 300 partos. Devem ser acautelados os cuidados necessários para que não ocorra asfixia do bebé, devido à pressão da cabeça deste sobre o cordão, pressionando os vasos que lhe permitem uma boa oxigenação, essencial durante o esforço do parto. No entanto, "a sua ocorrência é mais frequente quando o feto está em apresentação pélvica e com os pés abaixo das nádegas."(1) Cordões mais pesados e compridos, são mais susceptíveis a esta complicação.

Vasa prévia - ocorre em cerca de 1 em cada 1000 nascimentos, quando há inserção do cordão nas membranas fetais em vez de no centro da placenta. "Nestes casos, após a entrada dos vasos do cordão nas membranas, estes acabam por entrar na placenta pela sua margem ou mais adiante."(1)
Se a placenta estiver inserida na área proximal do orifício interno do colo do útero, "canal por onde sairá o bebé, pode haver uma porção desses vasos que passa esse orifício de um lado ao outro. E é aos vasos umbilicais nesta localização que se chama vasa prévia."(1) Na suspeita de um caso de vasa prévia, pode ser programada uma cesariana antes da entrada em trabalho de parto, de forma a evitar as complicações deste defeito de implantação do cordão umbilical.

Circulares do Cordão - ocorre em cerca de 1/4 dos nascimentos, sendo por isso uma situação menos rara que as anteriores. Acontece quando o cordão se dispõe à volta do pescoço, das pernas ou do tronco de bebé, numa ou em mais voltas.

Nó verdadeiro do cordão - acontece em cerca de 1% dos nascimentos . Não traz consequências a não ser que o cordão seja muito curto e o bebé o aperte demasiado ao descer o canal de parto.



Bibliografia:

(1) - FERREIRA, José Carlos, "O cordão que dá vida", Pais e Filhos, Outubro de 2005;

sábado, 13 de agosto de 2011

11 meses!

Este post vem um pouco atrasado... mas a vida é mesmo assim. O piratinha fez 11 meses no dia 6 deste mês.

Está com 8 quilinhos, alto e magricela, mas lindão (mãe babada, né?) Acho que se está a desenvolver bem e, acima de tudo, sinto que é um bebé feliz e isso é o mais importante de tudo. E o tempo passa a correr, sem dar conta já passou quase um ano desde que o tenho aqui. Mudou tanto, já não é aquele bebé pequenino que dormia no carrinho, sossegado. As roupas deixaram de lhe servir, os sapatos não cabem nos pezinhos, as mãos agora são mais ágeis e as pernas mais fortes permitem-lhe estar de pé bastante tempo e dar pequenos passos, apoiado apenas numa mão ou agarrado a algo. E quer andar em pé agarrado a tudo!

Tem mais dois dentinhos a querer aparecer, mas se for como os outros ainda vai demorar... É muito comunicativo e falador, mas dificilmente perceber-mos a sua linguagem ("Té" é Cão, "Cá" é pato (Quá-quá?), "Á-Tá" deve ser "já está" - diz sempre que acaba de comer, qaundo acabo de o vestir... e "Dá", serve para tudo, para pedir seja o que for estica a mãozinha e "dá". E normalmente resulta.

Continua a comer bem, mas agora as horas de refeição deixaram de ser calmas: quer ser ele a levar a comida à boca, mesmo que seja a sopa! Enfia as mãos na boca e tira os pedacinhos de fruta, olha bem para ver o que é e depois, volta a pôr na boca... quer fazer o mesmo com a papa, com a sopa e depois fica pronto para o enfiarmos diretamente na banheira!

Está a mostrar o seu próprio feitio e a teimosia é um dos traços que tem mais marcados. Ele tenta de todas as formas chegar àquilo que quer e não desiste. Está sempre atento, quando lhe tiramos alguma coisa e a escondemos ou trocamos de sítio para não lhe mexer, não tarda ele está lá. Teimoso a tentar mexer novamente. Ontem fechei a porta da casa-de-banho para ele não abrir a torneira do bidé - já aprendeu - e coloquei-o no quartinho dele a brincar. E, segundos depois, lá estava ele, a bater com as duas mãos na porta da casa de banho e a gritar! Uma nova aquisição cá em casa - os gritos! Não aprendeu a pedir, mas aprendeu a gritar para nos chamar e conseguir o que quer... como nem sempre o consegue, a gritaria prolonga-se. Azar...

Adora praia e não tem medo da água - mas ainda vamos com muita calma só molhar o pézito - e entretem-se a brincar com o balde e as pás, especialmente se o enchermos de água! É só chapinhar!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Férias!!!

A sensação de "não ter nada para fazer" típica das férias inundou-me logo de manhã - depois, passou, claro! Pois isto de estar de férias não significa ficar a mandriar o dia todo!

Hoje aproveitei para curtir a manhã com o meu piratinha... uma sonequinha em cima de mim, aninhado no meu peito, tão bom! À tarde rumámos até Sesimbra. Fomos visitar o avô e os tios. Depois fomos ter com a bisavó do bebé e com a priminha.

Pelo fim da tarde, lá pelas 19h caímos na praia, os quatro. A minha sobrinha desta vez fez aqui as delícias da tia e até areia comeu! O meu filho, claro está, adorou e divertiu-se imenso. brincou com o balde e as pás e até fomos tomar uma banhoca rápida de mar... (molhar pés, pernocas, barriguinha... a mamã aqui, só molhou o que teve de ser para segurar o bebé, não fosse a água estar gelada lá para aqueles lados) - uma aventura a repetir! Saímos de lá já passava das 20h e ainda me faltava uma escalada a pé até ao carro e rumar a casa para tratar do principe. Ufa!

Depois de uma banhoca e de maminha, caiu a dormir - mas apenas o suficiente para eu me despachar - mais um biberão de leite com papa e agora sim, está ferrado a dormir. Estava completamente moído da praia, os olhos quase a fechar de sono. Mas a fazer força para se manter acordado! Pirata!

sábado, 6 de agosto de 2011

Sábado de chuva

Hoje o dia esteve fresco e a chuva chegou mesmo a dar um ar da sua graça, mas nada que impedisse mãe e filho de aproveitar a liberdade (sim, depois de vários dias de cativeiro por causa da varicela) e sairem para uma tarde diferente.

Primeiro, fomos visitar um amiguinho assim bebé como ele: o R. de 9 meses, que assim que conseguiu, vá de puxar os pézinhos do Martim que ainda acordava... mas logo que despertou era vê-los os dois a brincar e a conversar, numa interação que foi uma delícia para as duas mamãs babadas dos seus rebentos!

Depois, lá fomos as duas e mais os dois piratas até ao Zambujal.
Como planeado, pela primeira vez lá fui ao encontro do Entre mães. E só vos posso dizer que adorei. Superou as minhas expetativas. Um encontro informal mas tão útil que me faz pensar: mas onde é que eu andei? Já devia ter ido mais cedo! A partilha de informação e de experiências entre mães é muito positiva e devia haver mais espaços para isso. Espaços onde podemos falar sem receio de sermos julgadas.

Além de tudo, adorei o espaço, e ainda mais estarmos sentadas no chão, enquanto os nossos rebentos partilhavam brinquedos, pintavam em papel de cenário com lápis de cera - daqueles que se podem comer e que vou ter de comprar para o Martim - e houve tempo para mamar, dormir, mudar fraldas... numa constante conversa e troca de experiências.

Estes encontros vão repetir-se aos primeiros sábados de cada mês, pelas 10h30m, no Espaço Zambujal, perto de Sesimbra. Vou tentar repetir a experiência e todas as mamãs que quiserem vir são bem vindas! E os pais também - já existem alguns que participam e sinto que era importante aumentar o leque de pais pois a maternidade não é uma coisa só das mães... não concordam?

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

E já acabou...

... a baixa, os dias passados fechada em casa com o meu pequenino. Foram dias bons porque os pude passar ao seu lado e pudemos encher-nos um ao outro de mimos, mas custaram a passar por não podermos sair para lado nenhum, porque ele e eu ficámos saturados, porque eu precisei de tempo para mim e não o tive.

E daqui a poucas horas estou de volta ao trabalho. E sinceramente não me apetecia nada voltar a olhar para certas caras, ouvir comentários, nada. Felizmente, não tarda estão aí as férias.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Amamentação: quando acontece a subida do leite!

Não se esqueçam! Dia 6 de Agosto, no Espaço Zambujal, conversamos sobre Amamentação!

Subida do leite:
É um dos acontecimentos mais comuns de quem amamenta e nem sei se lhe posso chamar um problema. Acontece e pronto!

Falam-nos disto nas consultas pré-natal. Eu passei por esta situação tinha o meu bebé 6 dias. O desconforto de nos sentir-mos repentinamente inundadas de leite que sai sem parar, passa a dor quando o peito começa a ficar inchado e quente, com o excesso de leite. A solução passa por se tirar o leite em excesso, dando de mamar com maior frequência ou usando a bomba. Podemos também congelar o leite e dá-lo mais tarde ao bebé. São momentos dolorosos, mas principalmente são situações ocasionais que devem ser geridas com calma - (agora falo do alto da minha experiência de quase 11 meses a amamentar, mas leiam lá para trás e vejam como andava desesperada nessa altura - foi só um aparte!) - e com o apoio importante do companheiro, que poderá ajudar nestas ocasiões.

Estas subidas de leite, podem conduzir à inflamação dos ductos mamários e às mastites que já falei atrás nos posts anteriores sobre este tema. Partilhem as vossas experiências pois assim também ajudamos as mães que agora começam esta nova fase das suas vidas, que não é tão fácil como nos fazem acreditar - mas que se correr bem é maravilhosa!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

O sono do bebé

O melhor momento do dia... adormeceu finalmente, deitado sobre o meu peito. Sereno. 

É tão delicioso quando o pirata adormece no meu colo, se aninha e fica ali, sereno e feliz. Transpira sempre imenso e acabamos por ficar sempre os dois molhados, com as gotinhas que se formam e lhe escorrem pela cabecita.

Ainda adormece na maminha a maior parte das vezes, mas à tarde - principalmente nestes dias que temos passado juntos - vamos os dois para cima da cama e, depois de brincar um bocado - faz muitas gracinhas - acaba por se aninhar até adormecer. Muda de posição várias vezes, ri, chora e grita, mas depois parece que vai progressivamente acalmando e percebendo que chegou a hora de dormir.

Antes era mais fácil... punha-o na caminha dele e ele dormia sozinho. Agora que começou a mexer-se mais e a pôr-se de pé, custa mais adormecer. Descobriu que há tanto para fazer acordado que resiste ao sono cada vez mais... mas tal como antes, raras continuam a ser as noites em que acorda. Só quando está mais adoentado, incomodado com a fralda, ou ultimamente com o calor.

"Nos primeiros meses de vida, o ritmo de sono dos bebés está marcado pela alimentação. Depois, o seu descanso começa a organizar-se de outra forma, com períodos de sono mais longos e previsíveis, embora a maioria das crianças não durmam cinco horas seguidas até aos cinco ou seis meses."(1)

Era bom que isto fosse regra não era?

Mas não é! Ora adormecem sempre na mama - e não vale a pena deitá-los antes porque não dormem! Ora só querem aquela chucha e não outra! Ora dormem sempre destapados e vamos lá teimosamente quinhentas vezes tapá-los, mesmo que se voltem a destapar no segundo seguinte! Muitos são os hábitos e costumes dos nossos bebés na hora de dormir.

Aqui ficam alguns hábitos do piratinha lá de casa:

- dorme na cama dele desde o primeiro dia;
- dorme ainda no quarto dos papás;
- adormece na mama, mas também consegue dormir sem ter de mamar;
- dorme a noite toda, por vezes sonos de 8 ou 9 horas seguidas!
- dorme de lado ou de barriga para baixo, desde que se começou a virar...
- às vezes, acorda com a cabeça onde estavam antes os pés, ou com as pernas enfiadas nas grades da caminha, tanto que se mexe durante a noite!
- põe as mãos debaixo da cabeça, tipo "tou na praia"...
- acho que sonha e que "fala" nos sonhos; sorri muito enquanto dorme - devem ser bons sonhos! Às vezes "acorda" a gritar e depois volta a dormir como se estivesse a ter um pesadelo...

E os vossos bebés? Que hábitos têm?

Bibliografia:
(1) - "O sono do bebé", Bebé d'Hoje - nº 166;