sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Dedicada à amamentação

Acabei agora de deitar o meu menino.
O dia começou cedo... bem cedo pelas 5h e tal da manhã quando acordou a choramingar. Dei-lhe mama, acalmou, mas quando o tirei do peito, voltou a ficar irrequieto. Depois o pai adormeceu-o e lá ficou mais um bocadinho... sabemos que está a ficar doentinho e isso deixa-o mais irritado - não costuma acordar de noite.
O resto do dia correu como normalmente: deixei-o na ama e fui trabalhar. Ele ficou bem, bem disposto, alegre. Tal como nos outros dias, ele hoje brincou, sorriu, comeu, dormiu, chorou e fez as suas birras. Não sei se sentiu a minha falta, mas eu assim que o deixo fico logo cheia de saudades dele. Quando acabei o trabalho, o que mais desejava era chegar perto dele e sentir o seu cheiro, beijar as suas bochechas e o seu narizinho, ouvir a sua voz dócil. Fomos para casa a conversar os dois, à nossa maneira. Dei-lhe banhinho e depois o seu jantar. Foi difícil de comer - como tem sido nos últimos dias - mas lá comeu a sopa com o peixinho e a frutinha. Mas o melhor do dia, foi o culminar de tanta coisa, o pequeno mimo que nos faz sentir bem aos dois: sentei-o no meu colo, e ele procurou logo o que sabe ser seu por direito. Ajudei-o a aconchegar-se e ele mamou durante alguns minutos, fitando-me e procurando o meu rosto com a sua mãozinha pequena. É a sua forma de dizer: "Amo-te mamã!", mesmo sem saber ainda falar. E depois de um dia cansativo, sinto-me completa quando o tenho a mamar, "Amo-te filho", digo-o, mas não precisava pois sei bem que te sentes desejado. Não adormeces logo, ainda queres brincar. Beijo-te o nariz, mordisco-te o queichinho e tu ris satisfeito. Adoro ouvir-te rir. De vez em quando, vens perto de mim e procuras atenção, metes-te comigo, deitas a cabeça nas minhas pernas. Faço-te cócegas. Depois tentas trepar pelo sofá. Esticas os bracinhos, queres chegar a alguma coisa... algo que não podes mexer. Brincamos mais um pouco. Tens o narizinho entupido e alguma tosse, mas estás bem disposto. Vamos trocar a fralda e, volto a aconchegar-te no peito, mamas mais uns minutos e, no fim, ainda queres brincar com a minha mama.
Depois levo-te ainda acordado para a tua cama, estás cheio de sono, mas a vontade de brincar é mais forte. Passa da hora dos bebés dormirem. Ponho-te na tua caminha e brinco um pouco contigo e com os teus peluches. O móbil toca, uma música suave de embalar. Deixo-te... mas só depois de te encher de beijos uma e outra vez... e pouco tempo depois já não te ouço, espreito mais uma vez... e estás finalmente a dormir.

Esta semana foi cansativa, saí várias vezes tarde do trabalho, e ainda por cima o piratinha está a ficar adoentado, com tosse e ranhoca. Esta foi a segunda noite que acordou às 5h - ele e nós - pelo que tenho andado podre de sono! Tinha pensado postar algumas coisas sobre amamentação, mas não tenho tido tempo nenhum. Mas podem sempre ler a minha experiência em algumas postagens anteriores e na página sobre o tema que se encontra na lateral deste blogue.

No Hospital Garcia de Orta está - não sei até quando - uma pequena exposição fotográfica sobre alguns momentos de inteira cumplicidade entre mães e filhos. No meio de um dia de trabalho, como o de ontem, parar e olhar para aqueles momentos, fez-me pensar que a felicidade está nas mais pequenas coisas. Como poder ter o meu filho nos braços e beijar-lhe o nariz!

1 comentário:

Mamã da Caroxinha disse...

Adorei este teu texto, nota-se bem o amor pelo teu filhote e o prazer que é amamentar...
Ainda hoje é o que mais me dói, o não ter sido capaz de amamentar a minha filha além dos 4 meses :(
Espero que continues a poder fazê-lo por muito tempo!

beijocas