sábado, 22 de maio de 2010

Alimentação saudável - parte 1

Estou um bocado farta de ouvir comentários sobre a minha alimentação, daqueles bem sabidos que dizem que quando estamos grávidas temos de comer por dois, ou que nunca podemos comer isto ou aquilo. Alimentar é sobretudo nutrir e não é necessário enfardar para que o bebé cresça saudável. O crucial é nutrir com conta e medida e escolhendo aqueles alimentos que nos fazem mais falta. Não é a quantidade que interessa, mas sim a qualidade dos alimentos que ingerimos.

Existem alguns nutrientes essenciais na gravidez:

Ácido Fólico:

Ou vitamina B9 é necessário para a formação do sangue e para o desenvolvimento do sistema nervoso do bebé. "Diversos estudos científicos evidenciam que os suplementos de folatos permitem diminuir a incidência de mal-formações no fecho do tubo neural", uma vez que sintetiza as proteínas que formam os tecidos fetais, ou seja previne malformações como anencefalia, espinha bífida e hidrocefalia. Previne ainda o "lábio leporino".
Este é um dos suplementos que habitualmente nos dão, mas podemos encontrá-lo em alguns alimentos, tais como nos legumes verdes, como na couve-de-bruxelas, grelos, couve-flor, espinafres, ervilhas e ainda no abacate, laranja, limão e toranja.

Tiamina:

Ou vitamina B1 é responsável pelo "metabolismo dos hidratos de carbono e as suas necessidades aumentam paralelamente ao incremento das necessidades calóricas da mulher durante a gestação." Podemos encontrar esta vitamina nos cereais integrais, leguminosas e carne.

Riboflavina:

Ou vitamina B2 é essencial principalmente no 3º trimestre "devido à sua implicação no metabolismo energético". Encontramo-la em alimentos como o leite e seus derivados, ovos´e gérmen de trigo.

Por hoje quanto às vitaminas fico-me por aqui, mas já estão a ver o meu ponto de vista? Deixem-se de nos dizer o que não deviamos comer, por isto ou aquilo, e que devíamos comer por dois e essas tretas. Ensinem-nos antes o que é importante não esquecer na alimentação diária, de uma forma equilibrada e ensinem-nos hábitos alimentares saudáveis que possamos manter depois do bebé nascer.



Fontes usadas:
Revista "SuperBebés", nº 111, Agosto de 2006;
Revista "Bebé d'hoje", nº 151, Maio de 2010;

Sem comentários: