quinta-feira, 14 de abril de 2011

High Scope em Creche - A roda da aprendizagem

Este é um tema muito querido para mim, uma vez que a valência de Creche é, sem dúvida, o que mais interesse me desperta e aquele que muitas vezes sinto ser um pouco desvalorizado. Felizmente, encontro já muitas colegas que fazem a sua prática em Creche e que partilham a sua forma de trabalhar, as suas dúvidas, as suas ideias, o que permite que todas nós cresçamos como educadoras.

"O modelo curricular High/Scope para bebés e crianças jovens baseia-se na construção activa da realidade através de uma metodologia de aprendizagem pela descoberta, de resolução de problemas e de investigação, permitindo que a criança, mesmo de tenra idade, construa as suas aprendizagens, estruture e dê significado às suas experiências, promovendo, desta forma, a sua confiança e o seu desenvolvimento." (1)

É através destas interacções que os bebés e as crianças mais pequenas, constroem uma bagagem de conhecimentos básicos sobre o mundo que as rodeia, seja adquirindo conhecimento acerca das pessoas e dos objectos, como respondem a determinadas acções, assim como aprender através da acção e da resolução de problemas.

Post e Hohmann (2004), esclarecem que, desde o nascimento, os bebés aprendem activamente recolhendo "informação a apartir de todas as suas acções.(...) Jean Piaget utilizou o termo sensório-motor para caracterizar esta abordagem directa e física da aprendizagem.”(2)

Mas, para que os bebés e crianças pequenas possam efectuar esta aprendizagem é necessário que o ambiente que as rodeia seja emocionalmente rico. As relações de confiança são a chave para que, num contexto social intenso, ocorram situações de aprendizagem activa. Durante este processo de aprendizagem activa, os bebés e crianças mais novas são incentivados a descobrir o mundo ao seu redor explorando e jogando, pois “aprendem com todo o seu corpo e todos os seus sentidos” em situações como: ouvir, agitar, rebolar, gatinhar, escalar, saltar, baloiçar, descansar, comer, fazer barulho, agarrar, roer, sujar...

São cinco os princípios orientadores da "Roda da Aprendizagem" que formam a base desta abordagem:

- observação da criança;
- interacção facilitadora adulto-criança;
- ambiente físico;
- horários e rotinas;
- aprendizagem activa.

Estes princípios guiam o trabalho de equipa dos educadores, a relação educador/família e a planificação do programa.

Observação da criança - Permite ao educador ter um conhecimento individualizado da criança e a possibilidade de reflectir, em conjunto com a equipa para “(...) orientar o seu próprio comportamento de apoio às crianças(...)” e junto com as famílias.

Interacção facilitadora adulto-criança – molda as “percepções que a criança tem de si enquanto ser humano capaz, confiante e merecedor de confiança.”. Quando o adulto abraça, beija, brinca e fala com a criança numa relação calorosa de dar-e-receber, promove um ambiente seguro capaz de encorajar a criança na sua necessidade de exploração activa.

Ambiente físico – É o espaço onde ocorrem as aprendizagens, pelo que deverá ser acima de tudo“ seguro, flexível e pensado para a criança.” Este ambiente deve responder às necessidades e interesses das crianças, oferecer conforto e variedade de materiais.

Horários e Rotinas - Consiste num conjunto de momentos repetidos diariamente. É uma estrutura pela qual a prática educativa se rege, contando com momentos como a chegada e partida, a hora das refeições, o tempo dos cuidados corporais, de escolha livre, de grupo e de exterior. Estes momentos pressupõem um planeamento flexível e cuidado por parte do educador, de forma a responder às necessidades e interesses das crianças, pois “ são suficientemente repetitivos para permitirem que as crianças explorem, treinem e ganhem confiança nas suas competências em desenvolvimento.”

Aprendizagem activa - Tem o lugar mais importante nesta Roda, pois é a partir deste grande pilar que se criam as estruturas do Currículo de High Scope. Este modelo curricular apresenta um conjunto de linhas orientadoras, que denomina de experiências-chave, as quais enquadram o conteúdo das primeiras aprendizagens e do desenvolvimento precoce.



Bibliografia:

(1) - http://repositorio.esepf.pt/bitstream/handle/10000/361/PG-CRE-2009_IsabelSandraCurriculo_e_Avalia_o_em_creche.pdf?sequence=1
(2) - POST, Jacalyn, HOHMANN, Mary (2004), Educação de bebés em infantários, Fundação Calouste Gulbenkian, 3ª Edição, Lisboa.

Sem comentários: