terça-feira, 15 de junho de 2010

Acidentes com crianças - Os cães e as crianças

Mais uma vez temos a lamentar um novo acidente envolvendo uma criança e um cão de uma raça muitas vezes chamada perigosa.

Rottweiler ataca menina de 2 anos:

O acidente ocorreu no lugar de Visalto, em Vilela, Paredes. O bebé sofreu ferimentos graves na face tendo sido transferido para o Hospital de S.João no Porto, uma vez que no Hospital Padre Américo em Penafiel, para onde a criança fora imediatamente conduzida por uma equipa da Cruz Vermelha de Vilela, não existe a especialidade de Cirurgia Plástica. Ao que parece o animal nem nunca tinha tido comportamentos violentos mas algo despoletou a violência e o ataque à criança.

Outros casos nos Media:

Em Maio deste ano, foi uma menina de 13 meses, em Guimarães que foi gravemente ferida por um cão Rottweiller, tal como noticiou o "Correio da Manhã" em 21 de Maio, agora o mesmo jornal diário dá-nos conta de mais um caso.

Na 1ª situação, após o ataque do cão, a menina teve de ser transportada para o Hospital de Guimarães, de onde foi transferida para o de São João no Porto, onde foi submetida a uma operação de cirurgia plástica.
Segundo fonte da GNR, citada pela agência Lusa, o animal que se soltou, quinta-feira numa casa da freguesia de Serzedelo, no concelho de Guimarães, atacou ainda a avó e uma outra mulher, que estavam com a criança mas apenas lhes causou ferimentos ligeiros.
O cão, à guarda da família, atirou-se à criança, que se encontrava num carrinho de bebé, causando-lhe ferimentos graves na cabeça e face.

O jornal "Expresso" de 6 de Novembro de 2008, (http://aeiou.expresso.pt/crianca-operada-de-urgencia-apos-ataque-de-cao=f446354) dáva-nos conta de mais um caso:

Marcas na cara, braços, pernas e órgãos genitais. O rapaz de quatro anos, que ontem foi atacado ao chegar a casa do namorado da mãe, ainda está internado no Hospital Central de Faro. "A criança está no internamento de pediatria, está estável do ponto de vista hemodinâmico e está a recuperar bem", assegura ao Expresso fonte hospitalar.
A criança deu entrada no Hospital ontem à noite, com ferimentos múltiplos, após ter sido violentamente mordida por um Rotweiller, do namorado da mãe, que também foi mordida quando tentou ajudar o filho. A mãe ficou, no entanto, apenas com ferimentos ligeiros nas mãos.


"Se eu tivesse conhecimento de agressões graves, já o tinha mandado abater há muito tempo", afirma António Martins, o proprietário formal do cão, ainda que o animal se encontrasse a viver em casa do filho, Hugo, que não quis prestar declarações.


Hugo foi aliás também ele apanhado de surpresa com a reacção do animal, ontem à noite, à chegada da sua namorada e da criança, perto das nove da noite. O cão terá atacado o rapaz, que já conhecia, sem motivo aparente, a não ser talvez o ciúme: "O cão é ciumento, ele é muito protector ao dono", afiança António Martins, enquanto mostra aos jornalistas as vacinas e o seguro do animal.


Aqui, o que mais me revolta é isto que se lê nesta notícia de seguida:

"Ele até lhe lavava os dentes"
Shakur, assim se chama o Rotweiller, é um macho de 5 anos, criado desde pequeno em casa de Hugo, que gosta bastante de cães e tem mais dois pastores alemães. "Ele dormia com ele na cama e até arranjou uma espécie de umas luvas, com uma pasta especial para lhe lavar os dentes", garante António Martins.
Aparte algumas queixas de vizinhos, devido aos problemas de toxicodependência do filho - "Disseram-me que ele andava aí na rua a cair, com o cão, mas eu acho que é porque tinham medo" - António diz desconhecer qualquer problema com o animal. "Só quando se metiam com ele, às vezes alguns amigos do Hugo, mas isso é normal", refere.

Bem, eu nem quero comentar isto, deixo isso para os entendidos na matéria... enfim...


Mas, afinal porquê as crianças?
 
Porque as crianças, na sua maioria, adoram cães e não os receiam, independentemente do porte do animal, aproximando-se dele sem qualquer precaução. O animal sente-se muitas vezes desrespeitado no seu espaço e sente a criança como uma ameaça, atacando-a.
Por outro lado, o animal sente o seu território como invadido e tenta da forma que sabe, seguindo os seus instintos, recuperá-lo, o que se torna muito complicado quando o animal não tem regras ou é estimulado para ser agressivo.
 
Raças perigosas?
 
Provavelmente um Caniche pode ser bem mais nervoso e atacar mais vezes do que um Pit Bull ou um RotWeiller, mas aqui o que está em causa é o tamanho e a força do animal. Uma criança, mais facilmente dominaria um cão de pequeno porte e as lesões seriam bem menos graves, mas no caso de cães maiores, o domínio do animal torna-se quase impossível.
 
Por outro lado, os cães que atacam crianças, são muitas vezes animais que nunca foram socializados. Não reconhecem a criança como um "filhote", que têm de respeitar como respeitam o dono, mas sim como um "humano estranho". Assim, é muito importante que quando se procura socializar um cão, a Família toda participe nesta acção como um todo e não apenas o "dono" do animal, uma vez que assim todos beneficiam com o processo. Desta forma, diminuir-se-iam provavelmente os casos de ataque a crianças.
 
Não é, por isso, unicamente a raça do animal que determina se ele será perigoso, mas também outros factores:
- a forma como o animal foi educado;
- a sua inserção na família;
- o espaço do animal;
- o respeito que têm para com ele;
- a sua relação com cada um dos membros da família.


Alguns sítios a visitar:

http://grandesamigospetshopsalvador.wordpress.com/

- neste site podemos encontrar diversa informação sobre as várias raças de cães, quais as mais indicadas para ter em casa, as melhores para conviver com crianças e quais os cuidados a ter.

http://www.dogtimes.com.br/caesecriancas2.htm

- aqui podemos ler alguns artigos sobre cães e crianças, em especial sobre a forma como ambos podem conviver e que cuidados devem ser mantidos.

Sem comentários: