quinta-feira, 19 de abril de 2012

Tocar!

"O toque é de primordial importância para o bem-estar, para a saúde física e mental da criança durante o seu desenvolvimento. E continua a ser de primordial importância para todos nós, toda a vida." (1)

Quando estou com o meu filho, apercebo-me que passo o tempo a beijá-lo, a fazer-lhe festas na cara e a agarrá-lo. Ao contrário de alguns bebés que se afastam perante a demasia de mimo das mães, o meu gosta e mostra-se feliz quando é acarinhado. Não é um bebé mimado. É um bebé feliz. Mas tudo depende do gosto da criança, que tal como nós, nem todos gostamos de ser constantemente apertados. O Martim, por exemplo, gosta de adormecer com um bracinho debaixo da minha cabeça e com a outra mão, vai-me mexendo na cara, no nariz, nas orelhas. Sempre o fez, mesmo quando ainda mamava, a sua mão livre estava sempre a mexericar, e isso sabia bem a ambos.

"Tocar, acariciar, fazer festas a um bebé, a uma criança é indispensável para que um e outra vão construindo a sabedoria dos contornos do seu corpo..." (1)

Beijar e acariciar não tem de ser considerado um comportamento negativo - apesar de haver pais que assim pensem - muito pelo contrário. Se nos culpamos tantas vezes por passarmos pouco tempo com eles, porque não aproveitar os momentos ternos do deitar e deixá-los adormecer agarradinhos a nós, enquanto lhes cantamos baixinho ou lhes contamos uma história? Não serão estes momentos também importantes e geradores de bebés e crianças felizes e seguras de si mesmas?

Bibliografia:
1 - EMPIS, Isabel Abecassis, "Materna mente - façam festas aos vossos filhos", Pais e Filhos, (nº 171); 

Sem comentários: