sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Decisão sobre Martim adiada

Filho da mãe adolescente que fez greve de fome

O Tribunal de Cascais adiou a decisão sobre a guarda do Martim, o menino que foi retirado à mãe com poucos meses de vida e que esteve entregue ao Refúgio Aboim Ascenção até Ana Rita Leonardo ter iniciado uma luta para reaver o filho.

Martim foi transferido em Julho para uma instituição de acolhimento em Carcavelos e passou a ter as visitas regulares dos pais. A decisão sobre qual dos progenitores ficaria com a guarda do menino de dois anos estava prevista para o final de Setembro, mas foi adiada devido a um requerimento da instituição onde se encontra a pedir mais 30 dias para apresentar um relatório final.

Isilda Pegado, advogada da mãe, explicou, em declarações à agência Lusa, que "o Tribunal de Cascais aceitou o requerimento da instituição onde está o Martim a pedir mais um mês para apresentar o relatório e só por isso é que o processo não avançou na data em que estava previsto". A decisão deve ser tomada até ao final deste mês.

A advogada informou que o Martim se tem integrado positivamente na sua família, "uma vez que "o bebé está todos os dias com os pais e aos fins-de-semana já vai passear com eles e com o resto da família".
Martim foi retirado à mãe adolescente em Fevereiro de 2007, com poucos meses de vida, por alegadamente não ter condições para cuidar do filho. Em Maio deste ano, Ana Rita Leonardo foi informada que o filho, por decisão do tribunal, seria dado para a adopção. Inconformada, iniciou de imediato uma luta para reaver a criança. Durante 11 dias acampou em frente ao Tribunal de Cascais e chegou mesmo a fazer greve de fome. Após a polémica ter estalado na comunicação social, o tribunal revogou a decisão e permitiu Ana Rita e a família de verem o menino.

In.: Correio da Manhã de 13 Novembro 2009 - 18h02

Sem comentários: