quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Marcas de nascimento - parte 3

Além dos sinais e manchas que podem aparecer no bebé, ainda existem algumas ocorrências físicas que podem ser alvo de preocupação.

Hérnia umbilical:

Ou seja, um "pequeno alto na zona do umbigo" mas que além de vigilância, a maioria "acaba por desaparecer com o tempo e só raramente é necessário operar, mas nunca antes dos 5 anos."(1)

Criptorquidia:

É a "ausência dos testículos nas bolsas, que pode acontecer em 3% dos bebés do sexo masculino." Nestes casos, torna-se necessário a realização de uma "ecografia para se descobrir onde estão os testículos e porque razões, ao longo da gravidez, não fizeram o seu trajecto normal desde a barriga até às bolsas. Pode vir a ser necessária uma cirúrgia no 1º ano de vida."(1)

Hérnia Inguinal:

"Chama-se hérnia inguinal a hérnia localizada na virilha. As hérnias inguinais geralmente aparecem em ambas as virilhas, pelo que, se a criança apresenta uma hérnia numa das virilhas, os médicos procedem a um exame cuidadoso da outra."(2)

"A hérnia inguinal surge na maioria dos casos quando o canal inguinal não se fecha completamente após o nascimento do bebé. Ou seja, durante a gestação, o bebé (menino) desenvolve os testículos no abdómen, e só posteriormente estes se deslocam para o escroto através de uma zona que se denomina canal inguinal.

Pouco depois do nascimento o canal inguinal encerra, para que os testículos não retornem ao abdómen. Se o encerramento não é efectivo, uma porção do intestino pode descer até à zona da virilha causando a Hérnia."(2)

"Quando a hérnia é detectada tem indicação para ser feita uma cirurgia, para que a parte do intestino que provoca a hérnia seja recolocada na cavidade abdominal e o orifício por onde passava seja encerrado. A sua urgência dependerá do tamanho, características e evolução."(2)

"Regra geral o bebé não fica hospitalizado mais do que umas horas, podendo regressar a casa no próprio dia. O facto do bebé necessitar de realizar uma intervenção cirúrgica após o diagnóstico, é muitas vezes causa de alarme para os pais, que ficam aterrorizados com a ideia de ter de submeter o filho a uma cirurgia. No entanto, estas intervenções são praticadas sem o menor risco, mesmo nos mais pequenos. A cirurgia - clássica ou laparoscópica - é a melhor solução para erradicar a hérnia, uma vez que esta tende a aumentar com o passar do tempo, podendo ocasionar consequências graves."(2)

"Embora a hérnia inguinal não costume provocar dor, pode deixar os bebé com algumas queixas."(2)




Bibliografia:
(1)-OOM, Paulo, "Porque é que nascemos com marcas?", Pais e Filhos, Abril de 2005;
(2)-http://familia.sapo.pt/bebe/primeiros_dias/bebe_saude/847998.html

Sem comentários: