terça-feira, 19 de outubro de 2010

Simbiose mãe-bebé - aprendendo a comunicar

"Do que já não parece haver dúvidas é que a relação entre a mãe e o filho, no decorrer da gravidez, revela uma importância enorme em termos de interferência no bem-estar da criança que vai nascer. Ou seja, as trocas emocionais entre ambos vão muito mais longe do que se pensava." (1)

Esta é a primeira etapa do relacionamento do bebé com o mundo que o rodeia. Depois de nascer, um olhar bastará para o bebé comunicar com a mãe e provocar nela um sorriso. "Como primeira relação humana", esta vinculação "tem uma importância fundamental no desenvolvimento somático, psicomotor, afectivo e social da criança."(2)



Estas trocas que começam ainda durante a gestação criam uma relação de cumplicidade entre a mãe e o seu bebé. Logo que nasce, o bebé tem a capacidade de procurar a mãe e de reconhecer o seu cheiro. E, embora esta vinculação seja contínua ao longo da vida de cada indivíduo, ela deriva do tipo de vinculação criada durante a gravidez de uma forma natural. Forma-se inicialmente "nos primeiros meses e no 1º ano de vida" e vai depois sendo reforçada ao longo das várias etapas do crescimento.(3)

Esta relação pode estender-se ao conjunto mãe-pai-bebé, embora de formas diferentes. "Ao longo do período de espera que é a gravidez, vários marcos ganham um especial significado na relação afectiva pais-bebé: o ouvir o coração nas primeiras consultas, o ver o bebé nas ecografias, o sentir os seus movimentos."(4) O pai pode participar e envolver-se nestes momentos, mas é a mãe quem os vive de forma mais intensa.

"O momento em que uma mãe sente o bebé é muito variável."(5) Mas quando ocorre é a primeira forma de comunicação entre a mãe e o seu filho. Por vezes, de forma instintiva, as mães executam "técnicas de estimulação da comunicação intra-uterina", desde falar com o bebé que vai nascer, fazer festinhas na barriga. por outro lado, também os aspectos negativos são passados ao bebé, mesmo sem que a mãe se aperceba.



"As competências interactivas do feto são muito expressivas a partir do 4º mês de gravidez. Emociona-se, angustia-se, constrange-se com as expressões mais rígidas da personalidade da mãe, alegra-se e aviva os seus ritmos, deprime-se a ponto de inibir o seu crescimento."(4)

"A primeira etapa do processo de vinculação completa-se com o términus da gestação e o nascimento do bebé de termo."(2)

Bibliografia:

(1)-CASTRO, Ana Vieira, "Tão pequeno e tão sábio", Pais e Filhos, Julho de 2007;
(2)-FONSECA, Ana Filipa e PEDROSO, Patrícia, "Como estabelecer a vinculação precoce", Super Bebés, Junho de 2006;
(3)-CASTRO, Ana Vieira, "Vinculação e autonomia", Pais e Filhos, Outubro de 2005;
(4)-RODRIGUES, Ana Sofia, "Namoro a três", Pais e Filhos, Agosto de 2010;
(5)-"O primeiro pontapé", Bebé d'hoje, Setembro de 2005;

Sem comentários: