sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Utilizar, ou não, uma chupeta.

Chuchar é um instinto natural.
Nalgumas ecografias, é possível ver os bebés a chuchar no dedo, ainda no útero. Muitos continuam a ter uma forte necessidade de chuchar após o nascimento; mesmo depois de comer, continuam dispostos a chuchar.

Utilizar, ou não, uma chupeta, fica ao seu critério. Alguns pais não conseguem passar sem a chupeta considerando-a uma forma prática de acalmar um bebé impaciente ou de adormecer o bebé. Outros rejeitam a chupeta, baseados em argumentos estéticos e preferem não se preocupar com o apanhar a chupeta e ter de a lavar, sempre que cai. (Pode levar a mão do seu bebé à boca para o acalmar ou utilizar o seu próprio dedo mindinho para isso.)

Não há qualquer motivo físico para não dar uma chupeta ao seu bebé. Eis aqui algumas sugestões, se o quiser fazer: Se estiver a amamentar, não utilize a “chucha” se não depois de o bebé ter aprendido a pegar no peito e se o seu fluxo de leite for constante, o que deverá acontecer mais ou menos nesta altura. Quando utiliza uma chupeta na primeira semana, pode ser mais difícil para o bebé aprender a mamar, uma vez que os movimentos da boca necessários para chuchar no mamilo e na chucha são ligeiramente diferentes.

Evite utilizar logo a "chucha". Dê-lhe de comer, ponha-o a arrotar, mude a fralda, embale-lo, acarinhe-o e responda às necessidades básicas do seu bebé quando este estiver impaciente, em vez de optar por colocar logo a chupeta assim que ele refila. O seu bebé será menos dependente da chupeta, ao crescer, se a utilizar de forma contida nos primeiros tempos. Deverá utilizar a chupeta para ajudar a relaxar e não como substituto de afecto e carinho.
Não se preocupe, porque a chupeta não afecta o crescimento dos dentes do seu bebé. Os dentes definitivos só aparecerão por volta dos 5 ou 6 anos e, por essa altura a “chucha” será apenas uma recordação. As crianças que chucham no dedo, por outro lado, poderão ter mais dificuldades em deixar este vício, ao mudar os dentes de leite, o que poderá causar futuros problemas dentários.

Sem comentários: