terça-feira, 17 de agosto de 2010

Os movimentos fetais

O bebé cresce dentro da barriga da mãe e rapidamente começa a fazer sentir a sua presença, a lançar sinais de que está ali e de que é gente.

"Os primeiros movimentos perceptíveis marcam o início de uma longa conversa entre mãe e bebé. Uma conversa que às vezes pode ser engraçada quando a barriga começa a mexer-se sozinha."(1) Ficamos (eu fico) longos períodos a olhar embevecidas para a barriga, à espera que ela volte a mexer-se. Puxamos a mão do pai para ele tocar a barriga e sentir aquela sensação de que o filho está ali e se está a manifestar. Mas cá no fundo, sabemos que aquele é um momento nosso, privilegiadas que já temos uma relação com este bebé.

Quem já teve esta sensação sabe que é mágica, uma sensação de entendimento. Percepcionamos que ali há uma vida a crescer, tomamos consciência plena da sua existência e da sua vitalidade. Começa por ser apenas uma leve impressão, que nem sempre sabemos identificar como movimentos fetais. O bebé já se mexe desde as 9 semanas, mas provavelmente só muito mais tarde o sentiremos. Cerca das 12 semanas, os seus músculos, ossos e articulações já lhe "permitem realizar movimentos espontâneos com todo o corpo."(2)

"É muito variável, de mulher para mulher e de gravidez para gravidez, mas algures entre as 16 e as 22 semanas é quando é natural sentir os primeiros movimentos do bebé."(1)

No início da gravidez, sentiremos o bebé de forma "irregular" e até, podemos "sentir os soluços do bebé."
"Num dia podem notar-se várias vezes e no outro nem uma única."(1)

Em contrapartida, no "último trimestre, convém prestar alguma atenção à sua regularidade e avisar o médico na caso de sentir um decréscimo significativo de movimentos. No final do tempo de gestação, é aconselhável verificar diariamente se o bebé está a movimentar-se normalmente."

"Mesmo no final da gravidez, a partir das 38, 39 semanas, é normal notar uma redução dos movimentos, pois o bebé já tem muito pouco espaço. No entanto, mais do que nunca é conveniente estar atenta."(1)


Bibliografia:

(1)-"Movimentos fetais", Pais e Filhos, Julho de 2006, pp 18 e 19;
(2)-"Assim cresce o seu bebé", Anuário 2004, Superbebés;

Sem comentários: