sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Amamentação - Alguns conceitos e dicas

Certamente que muitas mamãs têm muita coisa a acrescentar nesta postagem. Eu sou inexperiente nestas andanças, mas quero muito, muito mesmo, devorar tudo o que possa aprender acerca deste tema para depois aplicar quando o meu M. vier ao mundo. Dúvidas? Tenho muitas e muitas vou manter até que as situações ou os problemas surjam. Só aí poderei perceber como será a minha reacção a cada uma delas.

Já tenho algumas gotinhas de leite que de vez em quando espreitam do meu peito. É normal, mas não convém estimular a sua produção com massagens no peito, uma vez que a saída de leite estimula a sua produção o que por sua vez estimula a contractilidade uterina. É o meu corpo a preparar-se para o grande dia que aí vem, para que quando o M. nascer eu estar pronta para lhe dar o meu afecto e dar-lhe de mamar como tanto desejo.

A hormona que ajuda o leite a fluir é a ocitocina.

"É raríssimo uma mulher não ter leite ou ter leite insuficiente. A essa condição dá-se o nome de hipogalactia e as causas podem ser hipotiroidismo não tratado, retenção da placenta, ausência de tecido mamário ou uma cirurgia de redução mamária."(1) Por outro lado, a "hipertensão ou a pré-eclampsia não condicionam a amamentação." (2)

Embora alguns medicamentos possam passar para o bebé durante a amamentação, no caso da hipertensão, "a medicação habitualmente utilizada não impede a amamentação. Caso ocorra um parto prematuro o bebé pode necessitar de cuidados especiais, não ficando com a mãe. Nestas condições pode ser feita estimulação da lactação, sendo o leite removido com bomba e utilizado para alimentar o recém-nascido até este poder mamar."(2)

O leite que produzimos é o melhor para o recém-nascido e todas as mães, excluindo as retratadas nos casos anteriores, podem dar de mamar. "O que pode acontecer é que o processo de adaptação do bebé à mama não é eficaz. Ou seja, o bebé faz uma má pega e não estimula a produção de leite."(1)

"Se o bebé não pega bem na mama, não consegue tirar o leite suficiente, cansa-se, desiste
e em pouco tempo começa a chorar porque tem fome. Para garantir uma sucção eficaz, o bebé deve ter a boca bem aberta, o lábio inferior virado para fora, agarrar a auréola quase toda e não só o mamilo, tocar com o queixo na mama."(1)

"Como é opaca e misteriosa, é natural que surjam dúvidas, inseguranças, que se questione se a quantidade de leite que o bebé mama corresponde às suas necessidades."(1)

"Mas basta estar atenta aos sinais do bebé e aprender a conhecer o próprio corpo para perceber que o leite está lá," e que essa quantidade também é a adequada. "O estômago de um recém-nascido é muito pequeno e a quantidade de colostro que a mãe produz nos primeiros dias de vida do bebé é a ideal para o satisfazer."(1) Depois essa quantidade, bem como as propriedades do leite vão-se alterando consoante as necessidades do bebé.

"Se o bebé aumenta de peso, em média 500 gramas mensais nos primeiros meses de vida (após ter recuperado o seu peso de nascença, o que pode demorar cerca de 3 semanas), se faz vários chichis durante o dia, se está esperto e não prostrado, se lhe é oferecida mama entre 8 a 12 vezes por dia durante os primeiros meses, então é sinal de que o bebé recebe leite suficiente."(1)

O bebé, por instinto, ao se aproximar o peito da sua boca, suga. O mesmo tende a fazer quando lhe aproximamos um dedo da boca, a chucha ou uma tetina. É um reflexo que ele já aprendeu no ventre quando experimentou chuchar no seu próprio dedo. Este é o imício de uma simbiose explêndida, uma vez que "a produção de leite estimula-se através da sucção: quanto mais o bebé mama, maior é a abundância de leite." (3)

"Quando o bebé não quer mais leite, larga a mama espontaneamente."(1)

É também muito importante não deixar o bebé adormecer à mama. Isto sucede porque o leite é rico em endorfinas que acalmam o bebé, mas deve-se acordar o bebé novamente para que ele se alimente correctamente. A duração das mamadas também não é importante em si, uma vez que "há bebés que comem muito depressa e outros que demoram mais."(3)


Bibliografia:

(1)-LAMÚRIAS, Patrícia, "O meu leite é bom?", Pais e Filhos, Abril de 2010;
(2)-LEITE, Cristina, "Quando a hipertensão complica a gravidez", Pais e Filhos, Junho de 2007;
(3)-"Crianças que mamam crescem mais saudáveis", Superbebés, Agosto de 2006;

1 comentário:

Patricia disse...

Não tens que agradecer. Todos nós deveríamos estar gratos pelo trabalho corajoso dos nossos bombeiros, tantos deles voluntários. Isto sim, deveria ser notícia de jornal, devia ser reconhecido, valorizado. Obrigada a ti!!!